Literatura

Um olhar demorado

Adriel Dutra
Escrito por Adriel Dutra

Certas mulheres passam por você durante dias, semanas, meses sem que você as repare, até que um certo dia… até que um certo dia você a olha mais demoradamente, e começa reparar como ela anda, e começa a reparar nos detalhes do rosto, e começa a notar coisas que antes não notava, e começa a gostar do mundo e dar bom dia para desconhecidos na rua, e sem que você perceba estará pensando nela o dia inteiro. É assim que um homem descobre o que é estar seriamente encrencado na vida.


 

Ela estava timidamente ao lado da porta. Eu a vejo e sei que a vejo de uma maneira diferente, desvio os olhos de tempos em tempos apenas para não ser o maníaco que encara conforme as regras do constrangimento social, mas eles retornam querendo cada vez mais captar os detalhes do enlevo, a vida quer.

Eu sabia. Estava vendo de um modo que nunca a vira antes, com o olhar que quer tatear e sentir o cheiro. Acontece. Certas mulheres passam por você durante dias, semanas, meses sem que você as repare, até que um certo dia… até que um certo dia você a olha mais demoradamente, e começa reparar como ela anda, e começa a reparar nos detalhes do rosto, e começa a notar coisas que antes não notava, e começa a gostar do mundo e dar bom dia para desconhecidos na rua, e sem que você perceba estará pensando nela o dia inteiro. É assim que um homem descobre o que é estar seriamente encrencado na vida.

Percebo que ela olha para dentro procurando um atalho que pudesse entrar e se sentar sendo minimamente notada. Ela hesita uma, duas, três vezes. Eu gosto de mulheres que hesitam. Ela entra com seu charme tímido ao primeiro olhar, seu corpo é esguio e sem nenhum atributo desses com que o ideal de beleza amaldiçoa muitas mulheres, ela é discreta como convém ao seu evangelho.

Eu não sou de primeiros olhares, sou um observador nato, capto muito mais do que consigo colocar em palavras. O mundo se transborda em mim diariamente e sofro, não há socorro pela vida que escorre em excesso em uma sociedade onde ser cidadão com ideias de jornal e televisão é o mais comum. Muito do que é belo e raro é incomunicável, e as pessoas são tagarelas demais, é difícil ver o mundo assim, a tagarelice direciona os olhos só para nós. Mas ela, ela é discreta como uma leoa que se esgueira na relva com seus olhos grandes e tranquilos.

Apesar da compleição, o rosto branco é muito bem composto por dois malares levemente rosados. O nariz é levemente saltado. A boca é suave, está triste e finamente entreaberta, mantenho-me suspenso olhando na leveza daqueles dois lábios também rosados, pensei em como eles seriam suaves, próprios para aqueles beijos que a gente tenta captar a filigrana dos contornos, os contornos daquela carne tão delicada. Dois olhos grandes e pretos que também estão tristes iluminam aquele rosto. Os cabelos são longos, castanhos e sedosos, os olhos não captam cheiros, mas eu os imagino, certamente são cheirosos, daqueles que a gente aspira uma vez e vicia. Há uma franja pendente para a direita. Tudo ali compondo a intensidade de uma beleza resumida na fatalidade dos olhos tristes sob a delicadeza de uma franja escorrendo em um rosto refletindo uma pálida luz.

Ondas de puro deleite passeavam por mim, eu deixava que elas me levassem sem se importar com as estranhezas que nesses momentos tendemos a sentir diante de um ego que tenta nos barrar, eu gosto de surfar pelas estranhezas que nos surgem dos acasos da vida. Os constrangimentos me atraem, me sinto como que carregado no lombo da vida enquanto vou admirando a paisagem.

A beleza é capaz de nos arrancar da imbecilidade dos dias e nos lançar em um mundo paralelo, e quando estamos nesse mundo sentimos o melhor de nós. Eu já a vira, mas não dessa maneira, não como uma deusa rachando a dureza daquela ocasião apenas com o sopro da beleza. Eu estava flutuando por esse mundo paralelo de encantamento e embriaguez com uma ponta de pé lá fora. Lá fora… lá fora as pessoas tagarelando, reclamando, impacientes e egocêntricas, lá fora a arte de neurotizar a vida, encaixotando as relações nas grades e nas convenções. Mas dentro do meu ser um outro mundo surgia à medida em que meus olhos percorriam o rosto de Taísse, Taaa-íii-SSSsse. Há instantes que valem por si mesmo, não precisam de mais nada para serem completos. Aquele instante era meu, e ninguém mais o compreenderia, é por isso que às vezes dizemos que a beleza dói, dói porque é incomunicável, dói porque aquele instante será irrepetível.

A reunião prosseguia – (…) e seus lábios doces sorriram levemente como que contrariados, ironicamente, com aqueles olhos tristes – um sorriso doído. A beleza já tinha explodido em mim, podia sentir minhas moléculas dançando.

Me pergunto o que há em um rosto triste, o que há em um rosto melancólico, o que há nesses rostos que me atraem tanto, o que há nesses rostos que contrariam a mortífera ordem lógica das coisas e fazem brotar a beleza? Talvez porque a felicidade seja banal e comum, felicidade é para todos, mas permitir-se à tristeza, permitir-se à melancolia em um mundo onde as pessoas sorriem para esconder seus fracassos é fazer uma rachadura no asfalto civil e fazer a vida jorrar. Escoava vida daquele rosto, e eu estava capturado pelo êxtase sobrenatural da beleza que começava a doer anunciando aquele cristal de tempo que estava prestes a se quebrar, arrancando-me cruamente do instante que iria se perder para sempre.

E assim foi. O cronograma do dia encerrou e o que ficou foram fragmentos que compunham harmonicamente um rosto triste e belo em um corpo de aparência tão fina e frágil, os olhos, a franja, os cabelos, os lábios delicados… a fatalidade de Taísse.


Imagem: Ebony, Cristine Comyn.


Sobre o autor

Adriel Dutra

Adriel Dutra

Tem formação em psicologia, mas antes de tudo é formado pelos amores e desamores que vive, pelos livros, pelas músicas, pelos autores, pelos filmes, pelas poesias e pela arte que o fizeram, principalmente, sentir. Tem como hobbie ficar observando detalhes que ninguém costuma ver, encontra-se beleza demais nessas frestas.